Climate Science Glossary

Term Lookup

Enter a term in the search box to find its definition.

Settings

Use the controls in the far right panel to increase or decrease the number of terms automatically displayed (or to completely turn that feature off).

Term Lookup

Settings


All IPCC definitions taken from Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Working Group I Contribution to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Annex I, Glossary, pp. 941-954. Cambridge University Press.

Home Arguments Software Resources Comments The Consensus Project Translations About Donate

Twitter Facebook YouTube Pinterest

RSS Posts RSS Comments Email Subscribe


Climate's changed before
It's the sun
It's not bad
There is no consensus
It's cooling
Models are unreliable
Temp record is unreliable
Animals and plants can adapt
It hasn't warmed since 1998
Antarctica is gaining ice
View All Arguments...



Username
Password
New? Register here
Forgot your password?

Latest Posts

Archives

Como os invernos gelados se encaixam no cenário do aquecimento global

O que a ciência diz...

A onda de frio se deve a uma fase mais intensa da Oscilação do Ártico. Isso está ocasionando temperaturas mais baixas nas latitudes médias (p.ex. - Eurásia e América do Norte) e mais altas nas regiões polares (Groenlândia e Oceano Ártico). As regiões quentes e frias praticamente se compensam com pouco impacto na temperatura global.

Argumento cético...

O inverno de 2009-2010 teve recordes de períodos frios

"Cientistas eminentes afirmaram ontem que o grande frio britânico é o começo de uma tendência mundial em direção a tempos mais frios que mudará consideravelmente as teorias de aquecimento global. O mundo está entrando em um 'modo frio' que, provavelmente, levará a uma queda nas temperaturas que durará de 20 a 30 anos, eles disseram." (Daily Mail)

Ao longo de Dezembro de 2009 e Janeiro de 2010, uma onda de frio varreu a Eurásia, Inglaterra e partes da América do Norte. A imagem mais espetacular que capturou esse fenômeno foi uma foto de satélite mostrando a Grã-Bretanha coberta por neve. Isso significa que o aquecimento global parou? Para determinar isso, precisamos recuar e olhar o cenário inteiro. Para os iniciantes, aqui está um mapa da temperatura do Círculo Ártico inteiro e além:

Figura 1: Mapa das anomalias nas temperaturas de Dezembro de 2009 a aproximadamente 1000 metros de altitude para a região norte acima do paralelo 30 (NSIDC). As áreas em laranja e vermelho correspondem às fortes anomalias de calor. Áreas em azul e roxo correspondem as anomalias de frio.

A Eurásia e a América do Norte vivenciaram condições de frio incomuns. Por outro lado, a Groenlândia, o leste da Sibéria e o Oceano Ártico, vivenciaram um aquecimento incomum. As regiões aquecidas (mais de 7° Celsius acima da média) ficam do lado Atlântico do Ártico, incluindo a Baía de Baffin e o Estreito de Davis. Como seria de se esperar, a extensão do gelo marinho ficou abaixo da média nessa região.

Esses contrastes marcantes nas temperaturas foram o resultado de uma fase da Oscilação do Ártico extremamente negativa. Isso foi causado por padrões opostos de pressão atmosférica entre as regiões polares e das latitudes médias. Durante uma fase negativa, pressões são mais altas do que o normal no Ártico e mais baixas que o normal nas latitudes médias. Em Dezembro de 2009, o índice de Oscilação do Ártico foi de -3,41, o valor mais baixo desde, pelo menos, 1950. Note que os pontos azuis no canto inferior direito representam Dezembro de 2009.

Arctic Oscillation Index

Figura 2: Pontos azuis representam o Índice de Oscilação do Ártico mensal. A linha vermelha é uma média anual (obtidos de Andrew Revkin, plotados por Ignatius Rigor).

Um quadro ainda mais amplo é o mapa global das anomalias nas temperaturas na última semana de Dezembro de 2009. Aqui podemos ver que grande parte do planeta vivenciou temperaturas mais altas do que o normal, incluindo o nordeste da América, Canadá, Norte da África, o Mediterrâneo, e o sudoeste da Ásia.


Figura3: Mapa de anomalias das temperaturas globais, 26 de Dezembro a 1o de Janeiro (Met Office).

Concluir que o aquecimento global tenha terminado com base nas ondas de frio desse período é outro exemplo da prática enganosa de focar em pequenas peças do quebra-cabeça e ignorar o cenário mais amplo. Curiosamente, Roger Pielke Sr obteve uma perspectiva contrária analisando as temperaturas de Dezembro de 2009 medidas por satélites. A despeito do clima frio regional, a temperatura global não mostrou uma queda drástica em Dezembro, levando Pielke a concluir (incluindo os destaques originais):

"Os dados mostram porque o foco precisa ser em escala regional e que a média global não tem muita utilidade para descrever o clima que todos nós experimentamos."

Depois de adotar uma perspectiva mais ampla da temperatura global, Pielke foi pressionado a concluir que é preferível focar nas peças pequenas do quebra-cabeça do que num cenário mais amplo. É a melhor saída, se o cenário global não está dando o resultado que você está buscando.

 

Última atualização em 23 de Outubro de 2016 por John Cook. Ver Arquivos

 

Vídeo adicional

Translation by claudiagroposo, . View original English version.



The Consensus Project Website

THE ESCALATOR

(free to republish)


© Copyright 2020 John Cook
Home | Links | Translations | About Us | Privacy | Contact Us