Climate Science Glossary

Term Lookup

Enter a term in the search box to find its definition.

Settings

Use the controls in the far right panel to increase or decrease the number of terms automatically displayed (or to completely turn that feature off).

Term Lookup

Settings


All IPCC definitions taken from Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Working Group I Contribution to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Annex I, Glossary, pp. 941-954. Cambridge University Press.

Home Arguments Software Resources Comments The Consensus Project Translations About Donate

Twitter Facebook YouTube Pinterest

RSS Posts RSS Comments Email Subscribe


Climate's changed before
It's the sun
It's not bad
There is no consensus
It's cooling
Models are unreliable
Temp record is unreliable
Animals and plants can adapt
It hasn't warmed since 1998
Antarctica is gaining ice
View All Arguments...



Username
Password
New? Register here
Forgot your password?

Latest Posts

Archives

Recordes de precipitação de neve refutam o aquecimento global?

O que a ciência diz...

Afirmar que recordes de precipitação de neve são inconsistentes com um mundo em aquecimento demostra um desconhecimento sobre a relação entre aquecimento global e precipitações extremas. O aquecimento proporciona maior umidade no ar o que leva a eventos de precipitação mais extremos. Isso inclui nevascas mais intensas em regiões onde a precipitação de neve é favorável. Longe de contradizer o aquecimento global, recordes na precipitação de neve são previstos por modelos climáticos, sendo consistentes com nossa expectativa de eventos de precipitação mais extremos.

Argumento cético...

Recordes de precipitação de neve refutam o aquecimento global

"O aquecimento global continua trazendo confusão a este pequeno planeta azul: um novo recorde foi estabelecido na quarta-feira, quando Chicago teve seu nono dia consecutivo de precipitação de neve mensurável, e Flint, no Michigan, quebrou um recorde de 95 anos na manhã da última quarta-feira, quando a temperatura caiu à congelantes 19 graus abaixo de zero. O recorde anterior? Menos 10 graus, ocorrido em 1914. Por outro lado, provavelmente irá continuar a nevar em Chicago nos próximo dias. O aquecimento global é claramente... frio!(Michael van der Galien)

O inverno de 2009/2010 assistiu a um número dramático de nevascas quebrando recordes. O inicio de Fevereiro viu duas nevascas do tipo "uma a cada 100 anos" atingir a Filadélfia, sendo agora apelidadas de "Snowmageddon". Seriam os recordes de precipitação de neve uma prova de que o aquecimento global não está acontecendo? O que dizem as observações? 2009 foi o segundo ano mais quente já registrado. O mês de Janeiro de 2010 foi o Janeiro mais quente nos registros do satélite UAH. Dados de satélite indicam que o último mês foi o segundo Fevereiro mais quente nos registros de satélite. As observações mostram que os rumores sobre a morte do aquecimento global foram extremamente exagerados.

UAH Satellite temperature of near surface layer
Figura 1: Medidas do Satélite UAH para temperaturas próximas à superfície. Janeiro de 2010 é o janeiro mais quente nos registros do satélite. Fevereiro de 2010 é o segundo Fevereiro mais quente nos registros do satélite. Clique na imagem para uma versão ampliada.

Se o aquecimento global ainda está ocorrendo, por que algumas regiões ainda passam por eventos recordes de precipitação de neve? À medida em que o clima se aquece, a evaporação aumenta nos oceanos. Isso resulta em mais vapor d'água no ar. Globalmente, o vapor d'água atmosférico aumentou em cerca de 5% ao longo do Sec. XX. A maior parte desse aumento ocorre a partir de 1970 (IPCC AR4 3.4.2.1). Este fato é confirmado por satélites que mostram que a umidade atmosférica total vem crescendo desde que as medições começaram, em 1988 (Santer 2007).

Change in water vapor % over global ocean
Figura 2: Variação na quantidade percentual de vapor d'água sobre o oceano para o período entre 1988 e 2004, junto com a tendência linear, medida por satélite (IPCC AR4 3.4.2.1)

Espera-se que a umidade extra no ar produza mais precipitação, incluindo mais eventos extremos de precipitação. As observações corroboram este fato. Um estudo sobre precipitação nos Estados Unidos concluiu que eventos de precipitação intensa (acima de 50mm por dia) aumentaram em 20% ao longo do Séc. XX (Groisman 2004). A maior parte desse aumento ocorre a partir de 1970. Várias análises de precipitação ao redor do globo mostram, de maneira similar, um aumento generalizado de dias de precipitação intensa desde 1950 (Alexander 2006, Groisman 2006).


Figura 3: Número total de dias por ano nos quais a precipitação foi maior do que 10 mm por dia, expresso como uma anomalia, para o período de referência que vai de 1961 até 1990 (Alexander 2006).

Nevascas podem ocorrer se as temperaturas estiverem entre -10°C e 0°C. O aquecimento global diminui as chances de nevascas nas regiões mais quentes, ao Sul. Porém, nas regiões mais frias, ao Norte, as temperaturas são, em geral, frias demais para precipitações intensas de neve, de forma que o aquecimento pode trazer condições mais favoráveis para nevascas (Kunkel 2008). Isso está bem claro nas observações. Ao longo do último século, houve uma queda na frequência de nevascas sobre o Meio Oeste, Sul e Costa Oeste do EUA. Por outro lado, houve um aumento de nevascas no alto Meio Oeste, Leste e Nordeste, com a tendência nacional geral também aumentando (Changnon 2006).

Afirmar que recordes de precipitação de neve são inconsistentes com um mundo em aquecimento demostra um desconhecimento sobre a relação entre aquecimento global e precipitações extremas. As temperaturas globais nos últimos meses de precipitação recorde de neve estão entre as mais quentes já registradas. O aquecimento proporciona maior umidade no ar, o que leva a eventos de precipitação mais extremos. Isso inclui nevascas mais intensas em regiões onde a precipitação de neve é favorável. Longe de contradizer o aquecimento global, recordes na precipitação de neve são previstos por modelos climáticos, sendo consistentes com nossa expectativa de eventos de precipitação mais extremos.

Refutação intermediária escrita por John Cook


Atualização em Júlio de 2015:

A seguir uma videoaula relacionada ao tema, do curso Denial101x - Making Sense of Climate Science Denial

 

Última atualização em 26 de Outubro de 2016 por pattimer. Ver arquivos

Translation by Aldo Fernandes, . View original English version.



The Consensus Project Website

THE ESCALATOR

(free to republish)


© Copyright 2020 John Cook
Home | Links | Translations | About Us | Privacy | Contact Us