Climate Science Glossary

Term Lookup

Enter a term in the search box to find its definition.

Settings

Use the controls in the far right panel to increase or decrease the number of terms automatically displayed (or to completely turn that feature off).

Term Lookup

Settings


All IPCC definitions taken from Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Working Group I Contribution to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Annex I, Glossary, pp. 941-954. Cambridge University Press.

Home Arguments Software Resources Comments The Consensus Project Translations About Donate

Twitter Facebook YouTube Pinterest

RSS Posts RSS Comments Email Subscribe


Climate's changed before
It's the sun
It's not bad
There is no consensus
It's cooling
Models are unreliable
Temp record is unreliable
Animals and plants can adapt
It hasn't warmed since 1998
Antarctica is gaining ice
View All Arguments...



Username
Password
Keep me logged in
New? Register here
Forgot your password?

Latest Posts

Archives

Climate Hustle

A diferença entre tempo e clima

O que a ciência diz...

Tempo e clima são diferentes; previsões climáticas não precisam de detalhes meteorológicos.

Argumento cético...

Cientistas não conseguem nem mesmo prever o tempo
...Já que até os modelos computacionais modernos não conseguem prever com certeza o tempo daqui a duas semanas, como podemos confiar em modelos computacionais para prever como será o clima da Terra daqui a cem anos? Eles não conseguem! Ainda assim, pessoas como Al “Crédito-de-Carbono” Gore querem que você acredite que tais modelos podem prever o futuro. Aposto que consigo fazer o mesmo com uma bola de cristal. (fonte: 
Kowabunga)

Essa afirmação é mais baseada em um apelo à emoção do que em fatos. A inferência é que previsões climáticas para as décadas futuras não podem estar corretas quando até mesmo a previsão do tempo para o dia seguinte tem algum nível de incerteza.

Apesar da afirmação desse mito, previsões do tempo de curto prazo são altamente precisas e melhoraram drasticamente nas últimas três décadas. No entanto, pequenos erros nas condições iniciais tornam uma previsão de mais de duas semanas praticamente impossível.

Estudantes de ciências atmosféricas aprendem que “tempo é o que acontece e clima é o que se espera”. É por isso que esse argumento cético comum não se sustenta. Modelos climáticos não preveem sistemas meteorológicos diários. Em vez disso, eles preveem médias climáticas.

A record high is an example of weather. Increasing numbers of record highs is a symptom of a changing climate. From Meehl et. al

Figura 1: Recordes de altas são um exemplo de condições meteorológicas extremas, mas um aumento em recordes de altas versus recordes de baixas é um sintoma de mudança climática. A partir de Meehl et al.* 

Uma mudança de temperatura de 7º Celsius de um dia para o outro não é digna de nota quando se discute meteorologia. No entanto, sete graus são uma mudança drástica quando se fala em clima. Quando a temperatura MÉDIA da Terra era de 7º abaixo da atual, camadas de gelo de 1,6 km de espessura estavam em cima de Manhattan! 

Uma boa analogia da diferença entre tempo e clima é considerar uma piscina. Imagine que a piscina está sendo enchida lentamente. Se alguém mergulhar nela, ondas irão se formar. As ondas são o tempo e o nível médio da água é o clima. Um mergulhador pulando na piscina no dia seguinte irá criar mais ondas, mas o nível da água (ou seja, o clima) será maior à medida que mais água flui para a piscina. 

Na atmosfera, a mangueira de água está aumentando os gases estufa. Eles farão com que o clima esquente, mas ainda teremos mudanças de tempo (ondas). Cientistas climáticos utilizam modelos para prever o nível médio de água na piscina, e não as ondas. Uma boa explicação básica sobre modelos climáticos está disponível no livro Climate Change – A Multidisciplinary Approach, de William Burroughs. 

Fonte: AMS Policy Statement on Weather Analysis and Forecasting. Bull. Amer Met. Soc., 79, 2161-2163

*Fonte da imagem: Meehl, G. A., C. Tebaldi, G. Walton, D. Easterling, and L. McDaniel (2009), Relative increase of record high maximum temperatures compared to record low minimum temperatures in the U.S., Geophys. Res. Lett., 36, L23701, doi:10.1029/2009GL040736.

Réplica básica escrita por dansat


Atualização de julho de 2015:

Segue abaixo uma videoaula relacionada, do curso Denial101x - Making Sense of Climate Science Denial

Translation by Sabrina Leitzke, . View original English version.



The Consensus Project Website

THE ESCALATOR

(free to republish)

Smartphone Apps

iPhone
Android
Nokia

© Copyright 2018 John Cook
Home | Links | Translations | About Us | Contact Us