Climate Science Glossary

Term Lookup

Enter a term in the search box to find its definition.

Settings

Use the controls in the far right panel to increase or decrease the number of terms automatically displayed (or to completely turn that feature off).

Term Lookup

Settings


All IPCC definitions taken from Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Working Group I Contribution to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change, Annex I, Glossary, pp. 941-954. Cambridge University Press.

Home Arguments Software Resources Comments The Consensus Project Translations About Donate

Twitter Facebook YouTube Pinterest

RSS Posts RSS Comments Email Subscribe


Climate's changed before
It's the sun
It's not bad
There is no consensus
It's cooling
Models are unreliable
Temp record is unreliable
Animals and plants can adapt
It hasn't warmed since 1998
Antarctica is gaining ice
View All Arguments...



Username
Password
Keep me logged in
New? Register here
Forgot your password?

Latest Posts

Archives

Climate Hustle

O efeito das ilhas de calor urbanas acentuam as tendências de aquecimento global?

O que a ciência diz...

Enquanto as áreas urbanas são indubitavelmente mais quentes do que as áreas rurais a sua volta, este fato tem tido pouco ou nenhum impacto sobre as tendências de aquecimento.

Argumento cético...

É o efeito das Ilhas de Calor Urbanas

Um artigo publicado por Ross McKitrick, um professor de economia da Universidade de Guelph, e Patrick Michaels, professor de estudos ambientais da Universidade da Virginia, concluiu que metade da tendência de aquecimento global entre 1980 e 2002 foi causada pelas chamadas Ilhas de Calor Urbanas. (McKitrick & Michaels)

Ao compilar os registros de temperatura, a NASA GISS fez um grande esforço para remover qualquer possível influência do efeito das Ilhas de Calor Urbanas (ICU). Eles compararam as tendências urbanas de longo prazo com as tendências das áreas rurais próximas. A seguir, ajustaram a tendência urbana para coincidir com a tendência rural. O processo é descrito em detalhes no site da NASA (Hansen 2001).

Eles concluíram que, na maioria dos casos, o aquecimento urbano era pequeno e que ele ficava dentro da margem de incerteza. Surpreendentemente, 42% das tendências indicavam um resfriamento das cidades em comparação com as áreas do entorno, visto que as estações meteorológicas são, frequentemente, colocadas em áreas mais frescas (p. ex. parques dentro da cidade). A questão é que eles estão conscientes do efeito das ICU e fazem, rigorosamente, os ajustes necessários quando analisam os registros de temperaturas.

Isso confirma um estudo do NCDC (Peterson 2003), no qual foram feitas análises estatísticas de anomalias nas temperaturas urbana e rural, concluindo que "Ao contrário do que é geralmente aceito, não pôde ser detectado um impacto estatisticamente significativo da urbanização sobre as temperaturas anuais ... As áreas industriais das cidades podem ser muito mais quentes do que as áreas rurais, mas as observações meteorológicas urbanas são geralmente feitas dentro de parques (áreas mais frias) e não nas áreas industriais."

Outro estudo mais recente (Parker 2006) plotou os registros de temperaturas obtidos ao longo de 50 anos em noites calmas, e em noites de vento. O autor concluiu que "as temperaturas têm aumentado tanto em noites de vento, quanto em noites calmas, o que indica que o aquecimento global observado não é uma consequência do desenvolvimento urbano."

Comparando as tendências rural e urbana

O artigo Urbanization effects in large-scale temperature records, with an emphasis on China (Jones et al 2008) cita que a tendência das temperaturas urbanas apresenta pouca diferença em relação à tendência rural. O artigo inicia considerando 5 locais em Londres e à sua volta. A figura 1 mostra as temperaturas absolutas, indicando claramente uma influência das ICU nos sítios urbanos do London Weather Centre (marrom) e do St. James Park (azul escuro). Os registros de temperaturas mais baixas foram encontrados na área rural de Rothamsted (verde escuro). Contudo, o excesso de calor urbano não tem efeito sobre a tendência das temperaturas - todos os locais mostram a mesma tendência geral.


Figura 1: Tendência anual das temperaturas para cinco locais em Londres e à sua volta. As linhas marrom e azul escuro se referem às áreas urbanas, as verdes às áreas rurais.

Uma comparação similar foi feita entre dois locais em Viena. Novamente, as temperaturas absolutas foram maiores nas áreas urbanas, mas ambos os locais mostraram tendências praticamente idênticas.


Figura 2: Tendência anual das temperaturas para dois locais em Viena - Hohewarte no centro da cidade (marrom) e Grossenzersdorf na área rural (verde). 

Comparando as redes rural e urbana na China

Portanto, áreas urbanas já bem estabelecidas mostram a mesma tendência das áreas rurais à sua volta.O que dizer sobre as áreas urbanas que estão em desenvolvimento? A China, em comparação com a Europa, passou por um rápido crescimento econômico nos últimos 30 anos com um aumento dramático de suas áreas urbanas. Se houvesse um aquecimento significativo relacionado ao aspecto urbano, este deveria ser detectado nessa região e nas últimas décadas. A Figura 3 compara uma série de dados de temperaturas:


Figura 3: Anomalias nas temperaturas anuais médias. Jones et al. (linhas pontilhadas verde e marrom) se refere a um conjunto de dados de 42 áreas rurais e 42 urbanas. Li et al (linhas sólidas verde e marrom) se refere a um conjunto de dados homogeneizados de 42 áreas rurais e 40 áreas urbanas. Li (linha sólida azul) se refere a um conjunto não homogeneizado de 728 estações, urbanas e rurais. CRUTEM3v (linha sólida vermelha) se refere apenas a dados terrestres (Brohan et al., 2006). Este gráfico usa o período de 1954–83 como base.

Que não existam diferenças, praticamente, entre os seis conjuntos de dados apresentados, nos diz muita coisa. O conjunto de dados menor, com 40 estações, mostra o mesmo resultado que o conjunto de dados de 728 estações. Em outras palavras, para uma região deste tamanho, a média pode ser construída a partir de um número limitado de locais, o que implica que para o local com 728 estações existe uma redundância considerável.

Quando a escala aumenta, o impacto global dos ajustes para homogeneização diminui. Isso pode ser um pouco desestimulante para aqueles cientistas que trabalham duro, dedicando centenas de horas à análise meticulosa dos dados coletados das estações, garantindo que todos tenham sido homogeneizados (mas, é claro, que eles não fazem isso somente para calcular as tendências globais).

E, claro, o achado mais significativo é que: a tendência é a mesma para ambos os grupos de dados, urbanos e rurais, para qualquer um dos períodos analisados. Mesmo no caso das áreas urbanas em desenvolvimento, quando se estabelece uma média para uma área maior, o efeito das ICU tem pouco impacto sobre a tendência de aquecimento.

Translation by claudiagroposo, . View original English version.



The Consensus Project Website

THE ESCALATOR

(free to republish)

Smartphone Apps

iPhone
Android
Nokia

© Copyright 2017 John Cook
Home | Links | Translations | About Us | Contact Us